Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Rede Cicloviária de Londrina

Publicado: Sexta, 20 de Maio de 2016, 12h25

redecicloviariadelondrina

 A bicicleta pode atingir velocidades atraentes e significativas para os deslocamentos diários principalmente daqueles que não dispõem de um meio motorizado para se transportar, porém seu uso no município de Londrina ocorre de forma compartilhada com o elevado fluxo de veículos, disputando espaço nas vias da cidade e sujeitando os ciclistas a acidentes.

As diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana estabelecidas na Lei Federal nº 12.587/2012, indicam a necessidade de um sistema multimodal nos centros urbanos, que integre os transportes coletivos também com outras formas de transporte não motorizado - como pedestres e ciclistas.

Neste sentido, a estruturação de sistemas cicloviários nas cidades apresenta-se como uma alternativa de deslocamento, democratizando este transporte de forma socialmente inclusiva e ecologicamente sustentável. A bicicleta possibilita um deslocamento sem restrições de horário ou itinerário, com baixo custo, de forma saudável e sem consumo de combustível ou poluição atmosférica e sonora. Além disso, o uso da bicicleta favorece o cidadão no transporte ao trabalho ou escola, e também na busca de um novo emprego.

 

Pesquisa 2006

Pretendendo planejar o sistema cicloviário de Londrina, o IPPUL realizou no ano de 2006 um conjunto de 1000 entrevistas para análise da circulação do transporte não motorizado por bicicleta, enfocando as vias com elevada circulação de tráfego e as maiores empresas do município. As entrevistas foram divididas em 500 consultas com usuários cativos da bicicleta e 500 cidadãos que utilizam outras formas de deslocamento, como pedestres, usuários de ônibus e proprietários de veículos particulares.

Todas as pesquisas contavam com o preenchimento das regiões de origem e destino das viagens, dando oportunidade aos entrevistados sugerirem as vias necessárias para as ciclovias e para a localização dos bicicletários ou paraciclos. As entrevistas realizadas com pedestres, com usuários de ônibus e com usuários de veículos particulares coletaram informações sobre a possível utilização de bicicleta em seus deslocamentos rotineiros, identificando os desejos de viagens da demanda reprimida por este tipo de transporte, tanto para o percurso total quanto para parte dos deslocamentos.

A primeira etapa da pesquisa indica que a maioria dos usuários que utiliza a bicicleta para seus deslocamentos ao trabalho é composta por homens (88,4%), na faixa etária entre 19 e 35 anos (58%) e com renda familiar inferior a R$ 1000. Embora os locais de moradia dos ciclistas entrevistados estejam distribuídos nas diversas regiões da cidade e até em outros municípios conurbados com Londrina (Cambé e Ibiporã), é possível perceber que o destino principalmente de trabalho destes ciclistas está concentrado na área central da cidade.

Os ciclistas entrevistados demonstram que este modo de transporte é utilizado preferencialmente para distâncias entre 2 e 10 km (67,6%), com duração da viagem de até ½ hora (76,6%), promovendo para estes usuários a economia de dinheiro e de tempo nestas condições de deslocamento.

Além das 500 entrevistas realizadas com ciclistas, também outros importantes meios de transporte utilizados na cidade foram pesquisados, com o intuito maior de verificar a intenção do uso da bicicleta por outros usuários e os impedimentos atuais à escolha desta forma de deslocamento. A receptividade da utilização da bicicleta surpreendeu, visto que praticamente metade destes entrevistados optaria por esta alternativa de transporte caso houvesse um sistema cicloviário na cidade.

A metodologia da pesquisa e os resultados obtidos estão detalhados no artigo abaixo, apresentado no 16º Congresso Brasileiro de Transporte e Trânsito da ANTP - Associação Nacional de Tranportes Públicos:

A análise dos dados desta pesquisa possibilitou ao IPPUL a identificação dos vetores das viagens dos ciclistas e a proposta da REDE CICLOVIÁRIA DE LONDRINA. Também foram utilizadas as informações sobre: contagens volumétricas de ciclistas e avaliação do nível de serviço dos segmentos de vias selecionados, análise estatística de acidentes, localização dos terminais de integração do transporte público coletivo, densidade populacional, uso do solo, identificação dos pólos geradores de tráfego, topografia e disponibilidade de área pública nos canteiros centrais ou calçadas.

sistema cicloviario 2006mini

 

Pesquisa 2013

Nova pesquisa com ciclistas foi realizada pela Diretoria de Trânsito e Sistema Viário do IPPUL ao longo do ano de 2013, ampliando a coleta de dados que antes estava restrita aos deslocamentos motivados pelo trabalho.

A amostra abrangeu 1600 entrevistados que utilizam a bicicleta como modo de transporte para circulação de trabalho e também por motivo de estudo e de lazer, resultando na seguinte distribuição dos ciclistas:

 tabelapesquisa2013

Questionário semelhante ao aplicado na pesquisa de 2006 foi disponibilizado on line no site da Prefeitura de Londrina, amplamente divulgado pela imprensa em boletins eletrônicos e reportagens veiculadas em vários meios de comunicação.

Através de uma parceria com o curso de Geografia da Universidade Estadual de Londrina também foi possível a realização de entrevistas com a colaboração dos alunos do Programa de Educação Tutorial - PET, abordando ciclistas em seus locais de trabalho ou estudo (empresas e instituições) e em corredores viários da cidade onde o IPPUL percebeu relevante movimentação destes usuários.

Os resultados obtidos na pesquisa de 2013 estão detalhados no relatório abaixo:

Assim como realizado em 2006, os dados da pesquisa de 2013 nortearam a equipe técnica do IPPUL na elaboração de uma ampla proposta de rede cicloviária para Londrina, totalizando 318,8 km de ciclovias e ciclofaixas. Atualmente a cidade conta com 33,75 km de ciclovias existentes distribuidas nas seguintes vias: Avenida Leste Oeste, Rodovia Carlos João Strass, Avenida dos Expedicionários, Lago Igapó I e II, Avenida Adhemar de Barros, Avenida Harry Prochet, Avenida Theodoro Victorelli, Avenida Sylvio Barros, Avenida Aminthas de Barros, Avenida Ayrton Senna da Silva, Rua Alagoas, Rua Espírito Santo, Rua Paranaguá, Rua Santos e Avenida Saul Elkind.

sistema cicloviario 2015

Proposta da REDE CICLOVIÁRIA DE LONDRINA:

sistema cicloviario 2014mini

A Diretoria de Trânsito e Sistema Viário do IPPUL está em constante atualização dos dados referentes à circulação de ciclistas em nossa cidade.

Conhecer e avaliar estas informações é extremamente importante para orientar as ações voltadas aos ciclistas e subsidiar os projetos de infraestrutura cicloviária.

Todo cidadão é importante no trânsito, participe respondendo o questinário.

bnr dir transporte

As Diretrizes para Elaboração de Projetos Cicloviários na cidade de Londrina estão apresentadas em cadernos de detalhamentos e ilustrações:

registrado em:
Fim do conteúdo da página